O que falar de 13 Reasons Why, nova série original da Netflix baseada no livro “Os 13 porquês”? A série tem Selena Gomez como produtora executiva, e se você está se perguntando se vale a pena assistir, a resposta é SIM!

Diferentemente de Stranger Things, que eu achei ok, e só teve aquela hype toda, grande parte por causa da brilhante jogada de marketing da Netflix, 13 Reasons é, provavelmente, o melhor lançamento do ano da plataforma. Além de muito bem produzida e dirigida, a série que, aparentemente parece ser um drama teen, fala sobre temas sérios e atuais que precisam ser abordados, como bullying, abuso sexual, machismo, sexismo, violência sexual, homofobia, entre outros..

Sem dar muitos spoilers, 13 Reasons conta a história de Hannah Baker (Katherine Langford), uma adolescente que decide tirar a própria vida. Porém, antes disso, ela grava 13 fitas, cada uma sobre as pessoas que de alguma forma colaboraram para que ela chegasse ao ponto de cometer suicídio. A série é contada sob o ponto de vista de Clay Jensen (Dylan Minnette), amigo de Hannah. A estrutura de cada episódio uma fita é bom, causa aquele suspense, porque você sempre quer saber o que acontece na próxima fita. E também dá uma certa agonia, porque você começa a se perguntar: “Por que ele não escuta tudo logo de uma vez??!”. E mais, por que o Clay é um dos porquês se ele é um cara tão bonzinho e bacana??

No desenrolar da história, é interessante ver a evolução do Clay, um menino tímido, caladão, que vai tentando fazer justiça pelas coisas que aconteceram com a Hannah, por quem ele era apaixonado. Ao mesmo tempo, podemos ver porque Hannah toma sua drástica decisão. O jogo entre passado e presente com os flashbacks é muito bem feito. Para quem fica perdido em How to Get Away With Murder, como eu, isso não acontece em 13 Reasons.

Enfim, Os 13 porquês é uma daquelas séries que te prende desde o primeiro episódio. Eu amei demais. Achei que eles abordaram todos os temas polêmicos muito bem. É uma história extremamente tocante e comovente que, além de entreter, nos faz refletir sobre o modo com o qual tratamos as pessoas. E também mandam um alerta para todas as pessoas que possam vir a se identificar com a protagonista de que sim, existe outra saída. Procure aconselhamento, ajuda de amigos, família… o suicídio nunca será sua melhor ou única escolha.

Então, se você ainda não viu, corre!! Vale a pena!